Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




COMO ESCREVER UM POST DECENTE

por Neurótika Webb, em 20.04.18

Babylon_and_the_Tower_of_Babel.jpg

...Sinceramente não sei!

 

Esta minha dissertação começa por causa de uma pergunta que uma amiga me faz:

 

- E achas que vais conseguir aprender coreano?

- Aprendi português, não aprendi?

 

Por vezes ando por aqui a ler posts e adorava escrever assim português, como a Gaffe por exemplo, mas não consigo! É uma delícia ler os posts dela, é claro que tenho vocabulário suficiente para os ler, mas não consigo construir frases assim. 

 

Escrevo e tenho textos publlicados em várias revistas e sites, mas o texto jornalistico nada tem a ver com o texto literário, e é neste ponto que a coisa se complica.

 

Para se falar bem uma língua tem que se aprender cerca de 300 palavras (não estou a mentir, é o que se usa em linguagem corrente no dia-a-dia). E para se falar fluentemente tem que se conseguir pensar nessa língua. Mas o que nos trama sempre é o vocabulário. E apesar de falar português há 30 anos (vai para 31), ainda há palavras que me escapam, como há uns tempos quando tive que ir ver ao Google Translate como se dizia "tassel" em português, porque não sabia o nome daquelas coisas pirosas que alguns homens usam nos sapatos! (berloques, borlas...agora já sei!)

 

O meu problema é que tenho as ideias em inglês e quando as tento escrever em português a coisa não tem tanta graça. Aquilo que quero dizer, pura e simplesmente não sai. Escrever é sempre um parto difícil. Tenho sempre aquele problema do lost in translation.

 

Há uns dias quis escrever sobre o momento que estou a viver. Tentei-o de várias formas e acabei por desistir. Escrever sobre sentimentos é muito mais difícil, é muita metáfora e a coisa não resulta.

 

Este é mais um texto parvo em que a coisa não está a sair nada como pensei. A seguir vou rever o texto umas 20 vezes...para ver a construção das frases, se não há erros, como aquela palavra estúpida ali em cima, nunca consegui perceber se se escreve "quis" ou "quiz" (até porque quiz para mim é um questionário!), ando completamente baralhada com os acentos por causa do acordo ortográfico, mas desconfio que não sou só eu. (O Helder Guegués ía ter muito trabalhinho neste blog! Quem não sabe quem é, é um senhor que tem o blog Linguagista aqui no Sapo e, como não tem nada melhor que fazer à vida, passa a vida a corrigir a ortografia dos jornais diários!)

 

A única coisa que me conforta é que há por aí muita gente a dar mais erros que eu!

 

And that's how you write a freaking pointless post!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:51


8 diagnósticos

Imagem de perfil

De Gaffe a 20.04.2018 às 13:42

Tolice.
Gosto do que escreves e gosto da forma como usas o léxico que está ao teu dispor.
Eu gosto apenas de colocar umas palavras à frente das outras para que produzam sons.
Pensar numa língua e escrever bem numa outra é tarefa de titãs literários.

O Helder Guegués é sinistro.
Imagem de perfil

De Neurótika Webb a 20.04.2018 às 14:20

Ahahaha! Sim, o senhor é estranhíssimo.

Obrigada! Gosto do que escreves e como escreves, e ainda mais do teu refinadíssimo sentido de humor.
Não estou a dizer que algum dia iria escrever como tu, até porque somos diferentes e o meu sentido de humor é mais...negro. Admiro o que fazes, só isso!
Imagem de perfil

De Drama Queen a 20.04.2018 às 16:24

Eu admiro muito quem consegue escrever principalmente muito bem. Eu não tenho muita aptidão, nem inspiração. Outra coisa que admiro é pessoas que sabem imensas línguas tanto faladas, como escritas sempre tive muito mais sucesso com a matemática do que com as letras. Eu escolhi Alemão porque pensava que era melhor Francês nunca gostei de nada que venha de França...mas ainda hoje escrevo e falo português mal, espanhol antes de ir para primária falava quase tão bem como o Português (a televisão apanhava desenhos animados Espanhóis eles traduzem tudo), Inglês toda a gente diz que falo maravilhosamente americano com sotaque português, detesto o meu inglês ainda tive uma fase que lia em inglês os livros deixados pelos turistas mas depois perdi a paciência. Sempre fui uma nódoa em Alemão.
Imagem de perfil

De Neurótika Webb a 20.04.2018 às 17:03

Ó moça, quem cresceu numa família que parece as nações unidas é normal. Mas para ser sincera, sempre tive facilidade em falar línguas e apanhar sotaques, tanto faço um sotaque escocês como um alentejano, australiano, beirão ou do Porto. Falo fluentemente 5 línguas, arranho 3 e estou a aprender mais uma. A escrever é que de vez em quando tenho umas paragens cerebrais...mas para isso é que serve o blog, para escrever disparates e podes dar erros que ninguém liga! ;)
Imagem de perfil

De Violinista a 20.04.2018 às 20:11

Eu, que tenho uma licenciatura em literatura, vejo-me e desejo-me para escrever em tantos dias...
Fora que começa a ser muito bonito pensar em inglês e português e francês e alemão, tudo ao molho (mas, maioritariamente, em inglês... apesar de ser portuguesa). Quanto ao "quis" ou "quiz", eu também já tive essa dúvida. E tantas outras, de ficar a olhar para a palavra, apagar e escrever, e apagar e reescrever, e no fim mudar a frase toda para a evitar.

Eu diria que é tudo normal, só quem não dá a mínima importância é que acha que é muito fácil, chapa quatro.
Imagem de perfil

De Neurótika Webb a 21.04.2018 às 14:29

Bem, também não sei porque é que nos importamos tanto...se formos ver os blogs com mais sucesso, ou falam de futebol ou de moda, com textos de ir às lágrimas.

Comentar neurose



Neuroses

Neuroses

Fovias

Manias

Insonias

OS OUTROS BLOGS



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.