Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pois que já não estou em Carcavelos.

Pois que já não tenho vista de mar.

Mas é bom estar de volta ao mundo dos vivos e à civilização.

Depois de 8 anos a ver as mesmas pessoas TODOS os dias da semana, é bom andar perdida num mar de gente e ver caras novas todos os dias.

Os problemas:

O sacana do semáforo à saída da Av. Lusíada que levo com ele vermelho 4 VEZES todas as manhãs, mesmo quando não há trânsito na Estrada de Benfica.

O estacionamento é uma coisa infernal, são pelo menos 15 minutos à procura de lugar.

Temos lugar de garagem, mas nenhum dos carros cabe lá. Aparentemente, quando construíram o prédio, partiram do pressuposto que toda a gente conduz Smarts. (blhég!)

E finalmente, os senhores mais odiados de Lisboa....a E.M.E.L.!

Os transportes públicos são no mínimo deficientes e temos, graças a estas sanguessugas, que pagar para trabalhar.

Hoje, debaixo do viaduto, um dos poucos sítios onde se estaciona sem pagar, começaram umas obras...

Vai uma apostinha que vai ser mais um parque de estacionamento da E.M.E.L.?

Estou perfeitamente convencida que há um cantinho no inferno reservado para estes senhores!

1335294143275.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

ISTO DOS ANÚNCIOS...

por Neurótika Webb, em 14.10.16

De repente estar numa revista cheia de celebridades portuguesas, fez-me sentir uma analfabruta!

Como não vejo novelas, não leio VIP's, Caras e afins, estou nas reuniões agarrada a Google a pesquisar de quem é que eles estão a falar.

Do género, e o que acham da "fulana de tal" para a capa?, e eu (a teclar furiosamente no telemóvel), "fulana de tal"...."fulana de tal"...."fulana de tal"...."fulana de tal".....pois, nunca a vi mais gorda!

Ou seja, lá vai a menina ver canais portugueses!

E ao ver canais portugueses, também fiz um update nas publicidades com que nos fustigam nos intervalos.

Chego à conclusão que esta coisa das publicidades inspiracionais são uma coisa que me faz morrer os neurónios de tédio, em vez de me levarem a querer comprar alguma coisa. Levamos com aquelas músicas tipo Pink Floyd, com pessoas sorridentes a correr em câmara lenta e famílias "cliché" em cenas Norman Rockwell 2016! 

Depois há outros que são uns verdadeiros "achados" pela parvoíce. Tipo o do "Duster", que pode parecer muito bem à primeira vista, mas para quem fala bem inglês é uma parvoíce: "Another one drives a Duster...", que traduz para, "Outro que conduz um Espanador!"

Depois há os erros de casting (e já agora de guarda-roupa), como o anúncio da Trivago. A rapariga não podia estar mais mal vestida, e não percebi o critério do casting...será que por aquilo ser um um site de viagens, escolheram uma senhora com um rabo do tamanho da Austrália? Não a podiam ter filmado só da cintura para cima?

(já que sou obrigada a ver estas coisas, esperem mais posts em breve sobre estas pérolas saídas das agências de publicidade)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:21

Cérebro de férias e neurónios a banhos no Algarve

por Neurótika Webb, em 19.08.16

Voltando ao tema de não-ter-merda-nenhuma-interessante-para-escrever, chega o Verão e o meu cérebro entra em modo de férias...mesmo que eu esteja (e tenha) que trabalhar.

 

Um dos exemplos flagrantes é que nem livros de jeito leio. Só me apetece ler porcaria.

Este Verão descobri a Julia Quinn, uma espécie de cruzamento de Jane Austen com Corin Tellado! 

Li 8 (oito!) livros seguidos de romances de pôr o coração de meninas virgens a palpitar desenfreadamente, mas com umas cenas mais atrevidotas à mistura

O acto em si é o equivalente literário de passar uma tarde inteira a ver 10 episódios seguidos de Kardashians...uma espécie de Junk Food for the Brain!

 

E agora vou ali arranjar a porcaria da unha de gel.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:29

O porquê da minha ausência...

por Neurótika Webb, em 19.08.16

Juro (mas juro mesmo!) que estive um sem número de vezes vai-não-vai para vir aqui publicar qualquer coisinha.

Mas depois publicava sobre o quê? Trabalho?

Pois que houve um sem-número de dramas relacionados com o tema, mas não me parecia bem vir aqui desabafar sobre pessoas com quem trabalho (e que se me descobrem o blog, dão-me uma tareia).

O último drama da minha vida foi ter-me saltado uma unha de gel. Triste, não é?

 

Isto da vida se resumir a trabalho, faz-nos murchar a veia artistico-literária!

writersblock.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:01

Só para dizer...

por Neurótika Webb, em 19.08.16

que já deito Jogos Olímpicos pelos olhos!

O que nos safa são as provas de natação masculinas...para lavar as vistinhas!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:50

Ciclistas nas Passadeiras

por Neurótika Webb, em 02.06.16

É verdade que não se pode escrever sobre ciclistas sem se ser inundado por emails ameaçadores e ofensivos.

Mas vou arriscar.

Começou o solzinho a espreitar e a estar quentinho, e eles aí estão, de pernoca ao léu, calção de lycra, montados nas bicicletas...a empatar o trânsito!

Nem sequer vou aqui comentar o facto de os senhores andarem a abrir os alvéolos pulmunares para melhor absorverem o monóxido de carbono dos tubos de escape. Juro que não percebo!

No ano passado saíram umas novas regras do código da estrada, que nos obrigam a tratar os ciclistas como se de outro veículo (decente) se tratasse.

 

Apelo genérico:

Se querem ser assim tratados, respeitem as regras da estrada!

Se são considerados veículos normais, deixem de utilizar as passadeiras. (segundo as novas regras, só podem atravessar nas passadeiras quando as levam pela mão!)

 

Apelo pessoal:

Este vai especialmente para o atrasado mental que eu ía atropelando ao pé da SIC, em Carnaxide.

Se são considerados veículos, não podem nem devem utilizar as passadeiras (que caso não saiba, são para os peões, aquelas pessoas que usam as perninhas para se locomoverem) e, muito menos atravessar quando o sinal está VERMELHO para os peões!

 

Apelo à DGV:

Metam estes gajos a ter aulas de código, sim?

 

Obrigada.

 

Ciclista_Peão1.jpg

 (fotografia propositadamente gamada de um desses sites de ciclistas)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30

Esta coisa dos Colégios...

por Neurótika Webb, em 09.05.16

Acho uma graça a todo o tamanho este discurso dos pais dizerem que "têm direito" a escolher a escola dos filhos...desde que os outros paguem!

 

O meu filho andou num colégio e nunca pedi ajuda ao estado! Quando chegou a altura de mudar de escola, foi para o ensino público, porque achei que 600€ de mensalidade era uma barbaridade.

 

Mais uma vez, não obriguei outras pessoas a pagar o ensino privado, quando havia oferta pública.

 

A partir do próximo ano o meu filho vai novamente para o privado e, mais uma vez, não vou ao estado que me financie a educação do meu filho, porque oferta pública!

 

Um dos senhores que costuma ir à televisão defender esta coisa dos colégios, é uma pessoa que conheço bem. Aquilo que andamos todos a financiar é o Rolls Royce que o senhor comprou há uns anos atrás!

 

Andei num colégio até ao 9º ano, do 10º ao 12º andei na escola pública e depois numa universidade privada. Nunca chumbei, não me cairam os parentes na lama por ter andado na escola pública, pelo contrário.

 

Mais, andamos a desviar fundos da escola pública!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:18

Desgraçaram-me a vida!

por Neurótika Webb, em 01.04.16

Hoje vou falar de vícios, daqueles que nunca desaparecem, que causam dependencia física e emocional.

 

Tudo começou quando tinha dez anos, eu queria aquilo que todas as meninas queriam: orelhas furadas para usar brincos!

O meu pai era contra, dizia que as tribos em África é que faziam furos no corpo como parte de rituais tribais.

Como é óbvio, tive que negociar a coisa, tinha que passar o ano (do 5º para o 6º, na altura do 1º para o 2º ano do Ciclo Preparatório) com 5 a tudo. Como era aluna de 5 a tudo, aquilo foi canja e, nesse Verão, fiz os furos nas orelhas e comecei a usar brincos.

Mal sabia eu que aqueles 5 segundos de dor seguidos da satisfação de ter um pedaço de metal a atravessar-me a carne me ía seguir para o resto da vida.

 

No ano a seguir do meu pai morrer, tinha eu 16 anos, convenci a minha mãe a deixar-me fazer mais 1 furo na orelha. Usava-se e toda a gente tinha. Mais uma vez, tinha que ter 20 a tudo! E mais uma vez, foi canja!

A minha mãe deu-me o dinheiro e lá fui eu com uma amiga à ourivesaria fazer o tal furo. Quando lá cheguei, o senhor explicou-me que, apesar de só ir fazer 1 furo tinha que comprar os 2 brincos, fazer 1 ou 2 furos custava o mesmo. Pareceu-me um desperdício fazer só um.

Quando cheguei a casa com mais dois furos a minha mãe ia-me matando! Percebeu a minha lógica economicista, mas não achou graça nenhuma à brincadeira.

 

Quando fiz 18 anos, aquela idade em que já não tinha que pedir autorização a ninguém para decorar o meu corpo a meu bel-prazer, é que a coisa se descontrolou.

Com 19 anos tinha 25 piercings (todos do pescoço para cima) e 1 tatuagem nas costas.

Houve no entanto um piercing que adiei, o do umbigo. Só o fiz depois do meu filho nascer.

 

Quando acabei a faculdade e entrei no mercado de trabalho, tive que tirar os piercings todos, o da sobrancelha, o do nariz, o do lábio, o que estava por baixo do lábio e, a certa altura, não fazia sentido usar os das orelhas. Hoje em dia nem brincos uso.

 

Sobrou a tatuagem e o piercing do umbigo...que esteve 16 anos torto, desconfio que o tipo estava "com os copos" quando o fez.

 

Há dois dias, fui finalmente endireitar o piercing, a minha amiga do Spa (que não deve gostar nada de mim, senão nunca tinha metido este serviço!), agora tem um tatuador que vem uma vez por semana.

 

De repente, o velho vício renasceu...não vou pôr piercings na cara, mas vou fazer pelo menos mais 2. Digo pelo menos, porque acho que vou retocar a tatuagem e se calhar fazer mais uma tatuagenzita ou duas. Uma desgraceira!

 

Como dizem os estrangeiros: Old habits die hard!

67CE15D2ABD03AADA7C544F7B5B8B9EC.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55

Olhas para a foto de um post, com a fotografia das páginas de um livro, e identificas automaticamente que a Font usada é a Flux regular!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:40

De volta ao sol

por Neurótika Webb, em 22.03.16

Pois é, estou de volta.

Depois de meses infernais, em que já vomito Suíça por todos os orifícios disponíveis, interrogo-me:

Como é que um povo pode ser simpático com temperaturas daquelas?

O que safou tudo foram os chocolates!

(chocolatinho com pétalas de rosa...muito chique! Já agora, a foto já é antiga que este ano não tive pachorra para tirar fotografias)

1779287_10201048132715864_1152488574_n.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:46


Neuroses

Neuroses

Fovias

Manias

Insonias

Arquivo Clínico

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D


A Paciente

foto do autor



Memento