Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Uma paixão chamada livros #21

por Neurótika Webb, em 29.02.16

21.Melhor citação (diálogo)

Este é dos livros mais divertidos que já li, "I've got your number" da britânica Sophie Kinsella. Todo o livro tem diálogos absolutamente fantásticos e hilariantes.

Um resumo da história até este ponto, que por acaso é o 2º capítulo: Poppy num hotel com as amigas a celebrar a sua despedida de solteira. De repente o alarme de incêndio dispara, gera-se o caos e ela perde o anel de noivado...que é uma herança da família do noivo, passado de geração em geração. Quando tenta ligar a pedir ajuda, roubam-lhe o telemóvel. Desesperada e sem outro meio de comunicação, Poppy rouba um telefone que encontra no lixo, que pertence à assistente de um homem de negócios.

Vale a pena ler, mesmo em inglês, porque a cena é hilariante.

Peço desculpa, mais uma vez, mas os meus livros são (quase) todos em inglês.

 

“Violet?” A man’s voice hits my ear. It’s not the man who called before; it’s a guy with a deeper voice. He sounds a bit bad-tempered, if you can tell that just from three syllables.  He’s also breathing quite heavily, which means he’s either a pervert or doing some exercise.

“Are you in the lobby? Is the Japanese contingent still there?” In reflex, I look around. There are a whole bunch of Japanese people by the doors.

“Yes, they are,” I say. “But I’m not Violet. This isn’t Violet’s phone anymore. Sorry. Maybe you could spread the word that her number’s changed?” I need to get Violet’s mates off my case. I can’t have them ringing me every five seconds."

“Excuse me, who is this?” the man demands. “Why are you answering this number? Where’s Violet?”

“I possess this phone,” I say, more confidently than I feel. Which is true. Possession is nine-tenths of the law. 

“You possess it? What the hell are you—Oh Jesus.” He swears a bit more, and I can hear distant footsteps. It sounds like he’s running downstairs. 

“Tell me, are they leaving?” “The Japanese people?” I squint at the group.“Maybe. Can’t tell.”

“Is a short guy with them? Overweight? Thick hair?”

“You mean the man in the blue suit? Yes, he’s right in front of me. Looks pissed off. Now he’s putting on his mac.” The squat Japanese man has been handed a Burberry by a colleague. He’s glowering as he puts it on, and a constant stream of angry Japanese is coming out of his mouth, as all his friends nod nervously.

“No!” The man’s exclamation down the phone takes me by surprise. “He can’t leave.”

“Well, he is. Sorry.”

“You have to stop him. Go up to him and stop him leaving the hotel. Go up to him now. Do whatever it takes.”

“What?” I stare at the phone.

“Look, I’m sorry, but I’ve never even met you—”

“Nor me you,” he rejoins. “Who are you, anyway? Are you a friend of Violet? Can you tell me exactly why she decided to quit her job halfway through the biggest conference of the year? Does she think I suddenly don’t need a PA anymore?” Aha. So Violet’s his personal assistant. This makes sense. And she walked out on him! Well, I’m not surprised, he’s so bossy. “Anyway, doesn’t matter,” he interrupts himself. “Point is, I’m on the stairs, floor nine, the lift jammed, I’ll be downstairs in less than three minutes, and you have to keep Yuichi Yamasaki there till I arrive. Whoever the hell you are.” What a nerve. one ridiculous misunderstanding. The biggest deal of the year falls apart. A team of twenty people lose their jobs.” His voice is relentless. “Senior managers, secretaries, the whole gang. Just because I can’t get down there fast enough and the one person who could help won’t.” Oh, bloody hell.

“All right!” I say furiously. “I’ll do my best. What’s his name again?”

“Yamasaki.”

“Wait!” I raise my voice, running forward across the lobby. “Please! Mr. Yamasaki? Could you wait a minute?” Mr. Yamasaki turns questioningly, and a couple of flunkies move forward, flanking him protectively. He has a broad face, still creased in anger, and a wide, bullish neck, around which he’s draping a silk scarf. I get the sense he’s not into idle chitchat. I have no idea what to say next. I don’t speak Japanese, I don’t know anything about Japanese business or Japanese culture. Apart from sushi. But I can’t exactly go up to him and say “Sushi!” out of the blue. It would be like going up to a top American businessman and saying “T-bone steak!”

“I’m … a huge fan,” I improvise. “Of your work. Could I have your autograph?” He looks puzzled, and one of his colleagues whispers a translation into his ear. Immediately, his brow clears and he bows to me. Cautiously, I bow back, and he snaps his fingers, barking an instruction. A moment later, a beautiful leather folder has been opened in front of him, and he’s writing something elaborate in Japanese.

“Is he still there?” The stranger’s voice suddenly emanates from the phone.

“Yes,” I mutter into it. “Just about. Where are you?” I shoot a bright smile at Mr. Yamasaki.

“Fifth floor. Keep him there. Whatever it takes.” Mr. Yamasaki hands me his piece of paper, caps his pen, bows again, and makes to walk off.

“Wait!” I cry desperately. “Could I … show you something?”

“Mr. Yamasaki is very busy.” One of his colleagues, wearing steel glasses and the whitest shirt I’ve ever seen, turns back. “Kindly contact our office.” They’re heading away again. What do I do now? I can’t ask for another autograph. I can’t rugby-tackle him. I need to attract his attention somehow.

“I have a special announcement to make!” I exclaim, hurrying after them.

“I am a singing telegram! I bear a message from all Mr. Yamasaki’s many fans. It would be a great discourtesy to them if you were to refuse me.” The word discourtesy seems to have stopped them in their tracks. They’re frowning and exchanging confused glances.

“A singing telegram?” says the man in steel glasses suspiciously.

“Like a Gorilla Gram?” I offer. “Only singing.” I’m not sure that’s made things any clearer. The interpreter murmurs furiously in Mr. Yamasaki’s ear and after a moment looks at me.

“You may present.” Mr. Yamasaki turns and all his colleagues follow suit, folding their arms expectantly and lining up in a row. Around the lobby I can see a few interested glances from other groups of businesspeople.

“Where are you?” I murmur desperately into the phone.

“Third floor,” comes the man’s voice after a moment.

“Half a minute. Don’t lose him.”

“Begin,” the man in steel spectacles says pointedly. Some people nearby have turned to watch.

Oh God. How did I get myself into this? Number one, I can’t sing. Number two, what do I sing to a Japanese businessman I’ve never met before? Number three, why did I say singing bow back.

“Begin,” repeats the man in steel spectacles, his eyes glinting ominously. I take a deep breath. Come on. It doesn’t matter what I do. I only have to last half a minute. Then I can run away and they’ll never see me again.

“Mr. Yamasaki … ” I begin cautiously, to the tune of “Single Ladies.”

“Mr. Yamasaki. Mr. Yamasaki, Mr. Yamasaki.” I shimmy my hips and shoulders at him, just like Beyoncé.  “Mr. Yamasaki, Mr. Yamasaki.”

Actually, this is quite easy. I don’t need any lyrics—I can keep singing “Mr. Yamasaki” over and over. After a few moments, some of the Japanese even start singing along and clapping Mr. Yamasaki on the back.

“Mr. Yamasaki, Mr. Yamasaki. Mr. Yamasaki, Mr. Yamasaki.” I lift my finger and waggle it at him with a wink. “Ooh-ooh-ooh … ooh-ooh-ooh … ”

This song is ridiculously catchy. All the Japanese are singing now, apart from Mr. Yamasaki, who’s standing there, looking delighted. Some nearby delegates have joined in with the singing, and I can hear one of them saying, “Is this a flash mob thing?”

“Mr. Yamasaki, Mr. Yamasaki, Mr. Yamasaki … Where are you?” I mutter into the phone, still beaming brightly.

“Watching.”

“What?” My head jerks up and I sweep the lobby. Suddenly my gaze fixes on a man standing alone, about thirty yards away. He’s wearing a dark suit and has thick black rumpled hair and is holding a phone to his ear. Even from this distance I can see that he’s laughing.

“How long have you been there?” I demand furiously.

“Just arrived. Didn’t want to interrupt. Great job, by the way,” he adds. “I think you won Yamasaki round to the cause, right there.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Uma paixão chamada livros #20

por Neurótika Webb, em 26.02.16

20.Sequela que nunca devia ter sido impressa

 

Com esta é que me lixaram...não leio muitas séries, mas as que li gostei.

A única coisa que me ocorre, e que fui obrigada a ler (para escrever um artigo sobre aquilo) foi As Cinquenta Sombras de Gray, mas neste caso, acho que nem o primeiro devia ter sido escrito!

Acho que a senhora devia ter continuado a cozinhar prá família e a levar os putos aos treinos da little league em vez de andar a pesquisar sado-masoquismo no Google!

Deve ter sido dos livros mais penosos que tive que ler na minha vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Uma paixão chamada livros #19

por Neurótika Webb, em 25.02.16

19. Colecção (saga) favorita

 

Mortal Instruments e Infernal Devices - Cassandra Clare

 

As duas sagas estão ligadas, apesar de ter gostado mais da Infernal Devices que se passa em Londres na época victoriana.

A 8 de Março vai sair o novo livro, continuação da saga Mortal Instruments, com os novos personagens principais, Emma Cairstairs e Julian Blackthorn, agora mais crescidos e já "parabatai".

O primeiro livro chama-se Lady Midnight e a nova saga Dark Artifices.

Temos os Shadowhunters de volta!

(ou Caçadores de Sombras, tradução portuguesa....yuk!)

the-mortal-instruments-city-of-bones-cast-poster.j

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

A Loira do Ginásio

por Neurótika Webb, em 25.02.16

A loira do ginásio é um fenómeno comum a todos os ginásios por onde já passei. E este não é exceção.

Como é óbvio não me estou a referir a todas as loiras, apenas a esta espécie em particular.

A loira do ginásio é uma criatura que está a "um passinho" dos 40, divorciada e, regra geral, faz-se acompanhar por uma amiga que não teve tanta sorte nos atributos físicos quanto ela. É uma espécie de poodle que a segue para todo o lado, agradecida por compartilhar a atenção masculina que a loira atrai.

A loira do ginásio normalmente passeia-se pelo recinto, abanando as curvas e com uma expressão estampada no rosto que diz: "eu como meninos de 20 anos ao pequeno-almoço".

A loira do ginásio, mesmo a treinar, não larga as redes sociais, tecla furiosamente na passadeira, tira selfies e delicia-se com os comentários. Como tem mais de 35 anos, é de certeza o Facebook!

Mesmo frequentando todos os santos dias o ginásio, a loira necessita da atenção constante dos assistentes musculados, todos eles na casa dos 20, e alguns com uma barba que ainda teima em nascer.

A loira do ginásio é uma pessoa alegre, podemos ouvir a sua gargalhada, em intervalos regulares de 5 minutos a ecoar por todo o recinto, fruto do flirt constante com os jovens assistentes, uma espécie de segundo treino para tentar esquecer que os 40 estão ao virar da esquina.

 

Portanto, se andarem à procura do rapaz do ginásio, porque não percebem nada do que é que ele escreveu no vosso programa de treino (provavelmente escreveu-o enquanto falava com a loira), procurem a loira do ginásio.

Ele está de certeza ao pé dela!

wh0715fea_cover02-2-logo.jpg

Foto: Women's Health (legenda para as loiras do ginásio)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:31

Uma paixão chamada livros #18

por Neurótika Webb, em 24.02.16

 

18. Livro do qual nunca te irás separar

 

A Tábua de Flandres - Arturo Pérez-Reverte

Escrito por um jornalista espanhol, este livro tem tudo o que eu gosto.

Uma técnica de restauro de um museu começa a trabalhar num quadro de um dos mestres da Flandres (um dos meus períodos artisticos favoritos, carregado de simbolismo).

O quadro mostra uma partida de xadrez, e a partir da posição das peças do quadro inicia-se o jogo, e a cada jogada uma pessoa é assassinada.

Este é um livro com um dos finais mais surpreendentes que já li.

 

image.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Uma paixão chamada livros #17

por Neurótika Webb, em 23.02.16

17. O Livro mais caro da tua estante

 

20.000 Years of Fashion - François Boucher

Pois é, é o meu livro da cadeira de História da Moda da faculdade.

 

519ZB543DDL._SX351_BO1,204,203,200_.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Uma paixão chamada livros #14 #15 e #16

por Neurótika Webb, em 23.02.16

Epá, eu sei que ando atrasada com isto, portanto vamos lá ver se consigo despachar os atrasados.

 

14. Livro clássico favorito

O Monte dos Vendavais (que estranho....ahahaha)

 

15. Livro que custou a ler

4 Weeks Fiancé

Se o primeiro foi mau, o segundo foi um drama. Os dois personagens principais são do pior que há, ela é uma loura estúpida todos os dias, ele é um atrasado mental. O "plot twist" é do mais fraquinho que há, primeiro porque quando se descobre o responsável por aquela confusão toda....matam o personagem assim sem mais nem menos...e 10 páginas depois o livro acaba!

É penoso passar 2 livros "dentro da cabeça" destes personagens.

É um livro bom para quem gosta de Margarida Rebelo Pinto, para oferecer às pessoas que odiamos (mas odiamos mesmo!) ou para masoquistas.

 

16. Livro que marcou a infância

Nana - Émile Zola

A culpa não é minha, deram-me aquilo para ler!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:20

Uma paixão chamada livros #13

por Neurótika Webb, em 17.02.16

 13. Livro em cujo universo habitarias

 

Daughter of Smoke and Bone - Laini Taylor

O que dizer...Eretz, um mundo habitado por anjos e quimeras.

tumblr_nr6rlhiA261rkciaro1_1280.jpg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Homenagem a David Bowie - Lady Gaga + Intel

por Neurótika Webb, em 16.02.16

Na 58ª edição dos Grammy, Lady Gaga associou-se à Intel para criar um espectáculo interactivo de homenagem a David Bowie.

 

Ora espreitem aqui.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30

Uma paixão chamada livros #12

por Neurótika Webb, em 16.02.16

12. Livro para o qual escreverias uma sequela

 

Idoru - William Gibson

 

Pelo simples facto de ter adorado este livro e haver espaço para se escrever uma sequela...a coisa dava "pano pra mangas"!

Idoru.png

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Pág. 1/3



Neuroses

Neuroses

Fovias

Manias

Insonias

Arquivo Clínico

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D


A Paciente

foto do autor



Memento